3 coisas que eu gostaria saber antes da minha primeira prática de yoga

Seria muito bom se eu tivesse começado minha primeira prática de yoga sabendo de 3 coisas muito importantes para mim.

Facilitaria muito mais o meu desenvolvimento pessoal e me faria ter começado a praticar até mesmo mais cedo. E, também me faria ter expectativas mais reais com relação à prática. Eu realmente não sabia muito o que esperar quando se fala em resultados ou benefícios.

Mas, isso é difícil. As coisas que eu descobri fazem parte do processo de aprendizado das práticas de yoga. Não há como aprender isso antes de começar a praticar, a não ser que alguém te conte.

Por isso, eu quero compartilhar esse aprendizado com você. Para que fique mais fácil o entendimento sobre alguns temas presentes na mente do iniciante, que ele só vai descobrir depois que começar a praticar.

Dessa forma, você poderá evitar a falta de conhecimento que dá margens à dúvidas comuns e pouco proveitosas.

Tudo que experimentamos ao longo da jornada deve ser valorizado. São as experiências que constroem aquilo que somos atualmente. Porém, pode ser que você se identifique com alguns pontos que eu vou citar aqui nesse artigo. Ou talvez, você se inspire com esse texto e adicione alguma outra observação a sua lista de coisas que você desejaria saber antes de fazer sua primeira prática de yoga.

Se você tiver algo mais a adicionar, compartilhe comigo e com os outros leitores desse blog nos comentários aqui embaixo. Vamos agregar conhecimento e reflexões uns aos outros 😉

Leia também: 42 motivos absolutamente incríveis para você começar a fazer Yoga.

Aqui está a minha pequena lista com 3 coisas que eu gostaria saber antes de ter começado minha primeira prática de yoga:

1- Posturas de Yoga não são uma modalidade de circo, contorcionismo ou atletismo.

Quando eu era mais nova, antes de começar a fazer yoga, eu reparava nas atletas de ginástica olímpica e achava que elas eram muito perfeitas. Eu percebia uma conexão corpo-mente muito perfeita. E adorava ver as apresentações delas, principalmente nas Olimpíadas.

Enquanto eu observava e admirava tudo aquilo, pensava que eu nunca seria capaz de fazer nem 1% do que elas faziam. Seus corpos eram seus aliados. Elas pareciam ter super poderes.

Ao mesmo tempo eu observava meu corpo e sentia que eu não gostava muito dele. Antes de fazer yoga eu não me sentia bem com o meu corpo e muitas vezes comigo mesma. A baixa-estima tem a ver com série de fatores e a verdade é que, de uma forma ou de outra, eu sempre encontrava uma maneira de me colocar para baixo quando o assunto era beleza física ou algo que eu não me achava capaz de realizar.

Eu tinha esse comportamento, e ainda hoje, escuto pessoas com o mesmo comportamento. Elas afirmam para si mesmas e para os outros que não são capazes de fazer yoga porque não são magros, nem flexíveis, ou porque parece muito difícil.

Anos depois, quando eu tinha 23 anos eu encontrei o yoga. Se você quer saber mais sobre minha história clique aqui.

Logo nas primeiras aulas vi que tinha muita gente avançada e que essas pessoas faziam posturas de  yoga (ásanas) como se aquilo fosse muito divertido e fácil. Eu estava só começando e não conseguia me sentir tão a vontade assim. Eu olhava e pensava: meu Deus, parece tão fácil! E quando eu tentava fazer percebia que não era assim tão simples.

Mas uma coisa interessante aconteceu. Pela primeira vez na vida eu havia desacelerado, parado de pensar em um montão de coisas. Para prestar atenção na minha prática de yoga, no meu corpo e na minha respiração. Confesso que no começo foi bem difícil e muitas vezes até doeu.

Praticar ao lado de praticantes avançados não me ajudava muito. E eu estou falando daqueles praticantes que fazem parada de mão, colocam o pé lá na cabeça e tem abertura completa. Eu pensava que estava muito longe de chegar lá e que talvez, não chegasse nunca.

Eu me sentia solitária ali, tremendo e suando enquanto todos os outros estavam com a fisionomia serena e até sorriam! E eu me sentia desconfortável dentro de mim mesma por estar ocupando aquele corpo tão desengonçado.

Até que um dia eu comecei a prestar atenção no que meus professores diziam e aquilo começou a fazer efeito em mim. Frases importantes do tipo: “Se você está respirando corretamente, você já está fazendo yoga” ou “Existe uma variação mais simples para essa postura”.

Então, eu percebi que você não precisa ser a Daiane dos Santos da aula de yoga. Se você estiver se superando e trabalhando com bastante consciência e atenção, já está fazendo algo incrível. Muita gente nem liga para o próprio corpo e não cuida dele. Só de você estar ali aprendendo mais sobre ele e sobre si mesmo já é espetacular.

Mesmo que eu faça apenas uma única postura de yoga em todo o dia, eu vou fazê-la com todo meu coração e consciência.

Eu sigo progredindo na minha prática de yoga. Hoje em dia faço algumas posturas avançadas, outras ainda não. E aceito o ritmo que segue meu corpo. O aceito e o amo cada vez mais. Me sinto mais forte, flexível e consciente. Sou muito grata pelo meu desenvolvimento até aqui, mesmo que sem aprender a fazer a tão famosa parada de mão.

E sempre tem alguém que pergunta: Ah, você é professora de yoga? Você faz parada de mão? E eu penso comigo mesma que com o yoga aprendi muito mais que isso 🙂

Está gostando desse artigo? Quer receber mais artigos sobre yoga no seu e-mail? Então, cadastre-se na nossa lista.








INSIRA O SEU EMAIL ABAIXO PARA RECEBER GRATUITAMENTE NOSSOS ARTIGOS E NOVIDADES SOBRE YOGA!

 

2- O que o meu professor de yoga pode me oferecer e o que ele não pode.

Antes de eu começar a praticar yoga eu já gostava do assunto e tinha lido algum material a respeito e conhecia o trabalho alguns Mestres.

Quando comecei minha primeira formação, encontra Mestres de yoga e era engraçado porque sempre que estava perto deles eu ficava um pouco travada e não conseguia conversar ou tirar minhas dúvidas.

Eu tinha um pensamento ridículo de que eles poderiam ler meus pensamentos. Nem tão ridículo assim, porque você sabe, Mestres são Mestres. E eu não queria que eles me ouvissem pensando em nenhum dos quatro impulsos primitivos: comida, sono, auto-preservação e, definitivamente não, sexo.

Quando eu analiso como eu via meus Mestre,s e até mesmo meus professores de yoga, me dou conta que eu exagerava um pouco. Eu colocava eles em um pedestal e achava que eles eram seres totalmente diferentes e superiores a mim.

Isso é comum acontecer com pessoas que falam sobre espiritualidade e desenvolvimento pessoal. Eu não sou a única que fiz isso.

Hoje em dia como professora, percebo que muita gente se esquece que eu sou de carne e osso, não sou perfeita. Às vezes não posso nem ter um mau dia, ou mau-humor, que sempre tem alguém para julgar o meu comportamento. O que eu falo, bebo e como, principalmente.

Nós, professores de yoga, somos seres humanos em busca de aperfeiçoamento pessoal. Mas, isso não significa que somos perfeitos. Cada um está em um degrau da escada que leva ao topo.

Uma grande lição que eu aprendi com um Mestre que cruzou meu caminho foi:

“Não olhe para o professor, olhe para o que ele ensina. E além disso, siga a voz do seu coração porque qualquer professor pode te dar um conselho que foi bom para ele, mas pode não ser para você”.

Todos que estamos nessa jornada buscamos ensinar através das práticas e pelo próprio exemplo. Porém, se eu pudesse voltar no tempo e falar algo para mim mesma, eu diria para ter escutado mais meu coração e meu corpo do que ter dado ouvidos a muita gente que cruzou meu caminho.

3- Eu não deveria ter me preocupado com coisas que eu não conhecia.

Fora do mundo ásanas (posturas de yoga), a parte teórica e filosófica do yoga é bastante complicada.

Até mesmo em academias de ginástica eu já ouvi os termos pratyahara, kundalini ou shakti.

É muito comum que as sequências de posturas sejam descritas por seus benefícios energéticos ou espirituais. Até aí nada de mal, se o iniciante entende o que você está dizendo. Mas se ele não tem conhecimento prévio, fica estranho escutar “você vai alinhar os seus chakras”, “libere sua deusa interior” ou “com isso você vai despertar sua kundalini”.

Umas das coisas que eu ouvi e achei engraçada foi: “Leve o prana para a região que você está trabalhando. Leve o ar para os músculos das coxas e glúteos”. Eu, sinceramente não sabia o que era prana, então muito menos como levá-lo até lá.

Isso me desconcentrava um pouco.E pode acontecer de o aluno não entender que o prana realmente existe e deve ser trabalhado, assimilado, direcionado.

Enquanto o meu eu atual adora estudar a filosofia e os aspectos teóricos do yoga, o meu eu antigo (iniciante) não entendia muito conceitos. E por não entender, eu achava que não fazia uma boa prática.

Na verdade, se você ainda não aprendeu termos do yoga ou aspectos teóricos não se preocupe muito com isso.

A sua kundalini não vai despertar na primeira prática de yoga (pelo menos não é comum). E, tudo bem se você não se sentir uma deusa depois que a aula acabar.

Sua pratica não será prejudicada se você não entender imediatamente o que o seu professor está dizendo. Fazer muitas análises durante a sua prática de yoga pode impedir um bom aproveitamento do sadhana (pratica).

Essas são as 3 coisas que eu gostaria de dizer para mim mesma antes que eu começasse minha primeira prática de yoga.

E você? O que diria?

Espero seu comentário! E se gostou de artigo compartilhe com seus amigos que se interessam pelo assunto.

Quer receber 3 aulas de yoga com um professor muito querido? É só se cadastrar abaixo:








COLOQUE SEU E-MAIL ABAIXO PARA PARTICIPAR DA JORNADA DO YOGA!

 

Namaste.

 

 

 

 

5 comentários sobre “3 coisas que eu gostaria saber antes da minha primeira prática de yoga

  1. namaste, eu ate meus 60 anos nao sabia o que era yoga, e como fazia a muito tempo aulas de natacao e ainda faco, meu professor sempre me dizia vai fazer aula de yoga, de tanto ele insistir fui assistir uma aula e gostei e ate hoje continuo, juntei alguns amigos do bairro consegui um espaco no posto de saude e comecei a dar aulas nao como professor e sim como praticante isso ja faz 4 anos e estamos sempre aprendendo.
    NB. o pouco que aprendi com meus professores e atraves leitura de alguns livros consegui transmitir alguma coisa de bom aos participantes. e acho ninguem precisa ir para a India para aprender yoga, aqui no Brasil temos execetentes professores.

  2. Estou com 45 anos e muito sedentário e os músculos muito encurtados… posso iniciar a prática? Não consigo nem sentar com as pernas cruzadas por muito tempo sem que as mesmas fiquem dormentes… rs

    • Voce vai adorar, Emerson! E esse texto sobre o inicio da pratica de yoga sensacional! É isso mesmo! Vc vai chegar la duro mas em pouco tempo verá excelentes resultados, não apenas no corpo mas a gente fica mais . E se for numa aula c alguém avançado lembre-se q esse alguém também chegou duro e q foi melhorando aos poucos. Yoga não é competição ou forma de se mostrar, definitivamente. É um santo remédio p corpo, para a mente e para a alma. Recomendo muito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *